terça-feira, 17 de junho de 2014

Eu, vagando...


Até na hora de fazer uma prova me vem você.
Tinha lá, bem no meio da folha, no final da frase:
“Eles se amavam”, eu me distraí e disse em voz baixa: 
“A gente também”.

- Breno Velvet.

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Vibe "boua'



...E eu acho que é por isso que te escrevo, para cuidar de ti, para cuidar de mim - para não querer, violentamente não querer de maneira alguma ficar na sua memória, no seu coração, na sua cabeça como uma sombra escura.
Me queira bem.
Estou te querendo muito bem neste minuto. Tinha vontade que você estivesse aqui e eu pudesse te mostrar muitas coisas, grandes, pequenas, e sem nenhuma importância, algumas. Fique feliz, fique bem feliz, fique bem claro, queira ser feliz. Você é muito lindo e eu tento te enviar a minha melhor vibração. Mesmo que a gente se perca, não importa. Que tenha se transformado em passado antes de virar futuro. Mas que seja bom o que vier, para você, para mim.

P.S.: Te escrevo, enfim, porque nem você nem eu somos descartáveis. E amanhã tem sol.


sexta-feira, 9 de maio de 2014

Roses


"Mas...já agora não busco mais nas estrelas e nos livros: Começo a ouvir os ensinamentos que meu sangue murmura em mim. ”

domingo, 20 de abril de 2014

Casulo!




Irei mudar, e muito! Estão acontecendo coisas e/ou forças  que estão se movendo contra  a minha natureza, e a vida espera e me alfineta fazendo com que eu reaja a elas, estou aos poucos me mutilando, sei que tudo isso será para renascer uma nova menina, uma nova mulher, um novo eu. Me modificarei, estou me sacrificando, uma nova criatura serei! 
Não sei qual é o tipo de casulo em que me encontro, e também não entendo as modificações silênciosas que gritam dentro de mim... e pior os resultados que por fim estão me tornando, ser quem eu nunca fui! A ser quem eu não sou, a agir como diferente, nunca tive estas ações. Sei que está sendo doloroso, não entendo ainda, pois o casulo que me encontro e todas essas mudanças estão me consumindo aos poucos, não sei qual tipo de borboleta serei... Mas espero voar alto! e ver coisas que jamais imaginei.




Janeth crysselle

terça-feira, 11 de março de 2014

Luz do destino!



Talvez amanhã, quando você sonhar em me querer, eu já tenha encontrado alguém que me queira.
Talvez quando você precisar de mim, eu já tenha desistido de te ajudar. 
Quem sabe, quando você lembrar que eu existo, eu já tenha desaparecido do seu alcance. 
E se por acaso um dia, quiser me amar, talvez eu transforme esse amor em amizade. 
Quando seus olhos sentirem falta de uma luz e você quiser me ver, talvez eu já tenha ido à procura de alguém que me queira tanto, o quanto eu te quero. 
Mesmo assim, vai ser bom te ver... Quando você cair na real e ver que me teve ao seu lado e não quis me amar,
Não seja tolo de um dia pensar que eu estou sofrendo por você, pois esse dia já veio e já se foi , esquecer eu não esqueci mais me acostumei com a dor ... 
E se por obra do destino um dia eu passar com outro na sua frente, saiba que esse foi quem me segurou com as duas mãos na hora da queda. 
E se um dia você sofrer por um amor não correspondido, console-se, pois eu já sofri tanto quanto você por um amor, O SEU .
E quando você descobrir que está amando, sorria, pois nesse dia eu vou deixar de pensar que você é tão frio e calculista . 
E depois de tudo que eu escrevi você continuar sem entender que eu sofro porque EU TE AMO, 
esqueça tudo o que eu escrevi e enquadre-se somente nessas palavras: Eu TE AMO DEMAIS, MAIS VOCÊ ME PERDEU!!!

sábado, 25 de janeiro de 2014

Menina-moça...


E quando ela colocou seus delicados pés no chão, sentiu o quão áspero e rude era aquele terreno deserto e quente, e naquele momento sentiu um vazio, tão grande,tão grande que sentiu o peito doer e despertou estranhamente no intimo da garota uma tristeza... e eis que surgiu uma lágrima no canto esquerdo dos olhos castanhos que percorreu em sua face alva como a nuvem do céu, a mesma nuvem que naquele instante posicionava-se diretamente sobre a cabeça da menina, a protegendo-a dos raios solares. É,infelizmente ela sentia na pele viver, a dor e a dádiva de estar viva, o precioso momento  daquela experiencia de ter vivido empiricamente e sentido a realidade de um mundo tão diferente, e surreal da realidade da menina-moça.


Janeth crysselle

Apressa de uma prece!




E  quando a prece se faz presente
a pressa grita e me pede socorro!