sábado, 25 de janeiro de 2014

Menina-moça...


E quando ela colocou seus delicados pés no chão, sentiu o quão áspero e rude era aquele terreno deserto e quente, e naquele momento sentiu um vazio, tão grande,tão grande que sentiu o peito doer e despertou estranhamente no intimo da garota uma tristeza... e eis que surgiu uma lágrima no canto esquerdo dos olhos castanhos que percorreu em sua face alva como a nuvem do céu, a mesma nuvem que naquele instante posicionava-se diretamente sobre a cabeça da menina, a protegendo-a dos raios solares. É,infelizmente ela sentia na pele viver, a dor e a dádiva de estar viva, o precioso momento  daquela experiencia de ter vivido empiricamente e sentido a realidade de um mundo tão diferente, e surreal da realidade da menina-moça.


Janeth crysselle

Apressa de uma prece!




E  quando a prece se faz presente
a pressa grita e me pede socorro!